Terça-feira, 4 de Setembro de 2007
Vou iniciar com um poema que dedico às minhas filhas

Este é o meu primeiro dia, com alguma dificuldade.

 

Palavras simples

São simples as palavras escritas p'la minha mão

Simples como simples é a Natureza

Palavras que todas as manhãs me dão a ilusão

de que o que escrevo é nascente de beleza!

Dou passos e habito sempre o mesmo lugar

Desajeitada, surpreendida dia a dia!

Fico como uma jovem sempre pronta a amar

E tudo o que em mim cabe é apenas alegria.

Deslumbrada, assim vou envelhecendo

As rugas ao rosto me vão chegando

Não me deixando vencer, vou vencendo

Procuro alívio nas palavras que escrevo

Simples, simples como quando estou amando!

e é assim que à Vida dou o que à Vida devo!



publicado por rosafogo às 14:56
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Novembro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

Novo blog

Netas nossas princesas

Porquê ?

Acontecer

Sem retorno

Longevidade

Fio da meada

A começar o Inverno

Jardim de mulheres

Dia cinzento

arquivos

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

favoritos

Homem e poeta

Palavras desalinhadas

Asas que tive

PROVOCAÇÃO CONFLITUOSA

TERÇA E QUARTA FEIRA II

NASCER EM BERÇO DE OURO

INTELECTUALIZAR

MAIS UMA MEDALHA DE OURO!

Perdidamente perdida

Poema para a Terra calada

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds