Sexta-feira, 5 de Outubro de 2007
Uma professora inesquecível

Há tantas pessoas que passam pela nossa vida, que de algumas não nos esquecemos jamais!

No 1º ano da Escola Industrial, do Curso de Formação Feminina,ano lectivo de 1954, tive uma professora de português , chamada Drª Ilda Carmona, que eu penso ter sido a primeira pessoa que me acarinhou de verdade, como  eu hoje acarinho os meus netos. Os sentimentos afectuosos nessa altura mesmo pela parte dos pais, parecia ser uma coisa que não era para  demonstrar e então nesse ano eu posso dizer que fui feliz com a amizade dessa senhora. No fim do ano partiu  e ainda recebi uma carta tão afectuosa que chorei durante algum tempo. Agora me vêem as lágrimas aos olhos, quando dela me recordo.

Menino Pobre

Aqui da minha janela

O Mundo parece uma bola

Um quadro, uma aguarela

Pintado por menino da escola!.

Aqui da minha janela

Sentada na minha cadeira

Vejo um barquinho à vela

Na mão dum menino sem beira!

Olhando da minha janela

Vejo a chuva que vai caindo

e o menino que nasceu sem estrela

sem roupa e o frio sentindo!.

Aqui da minha janela

Onde escuto meu pensamento

Meu olhar não quer perdê-la

À criança, pássaro sem vento!

 

Restam vestígios do dia

Aguardo da minha  janela

Que este menino sorria

Ao chegar da primeira estrela!.

 

 



publicado por rosafogo às 22:09
link do post | comentar | favorito
|

1 comentário:
De paula a 10 de Outubro de 2007 às 20:08
olá gostei mto dos poemas. Continua


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar
 
Novembro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

Novo blog

Netas nossas princesas

Porquê ?

Acontecer

Sem retorno

Longevidade

Fio da meada

A começar o Inverno

Jardim de mulheres

Dia cinzento

arquivos

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

favoritos

Homem e poeta

Palavras desalinhadas

Asas que tive

PROVOCAÇÃO CONFLITUOSA

TERÇA E QUARTA FEIRA II

NASCER EM BERÇO DE OURO

INTELECTUALIZAR

MAIS UMA MEDALHA DE OURO!

Perdidamente perdida

Poema para a Terra calada

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds