Quarta-feira, 5 de Setembro de 2007
Verão tardio
Desta vez o Verão veio um pouco mais tarde, hoje está muito calor e nós seres humanos

sentimo-nos mal quando as coisas habituais fogem  e contradizem as nossas expectativas.

 

Porém apesar de não gostar do calor, hoje apetece-me dar-vos a conhecer mais um poema

que fala sobre Sol mas de esperança

 

Sóis de Esperança

Meu corpo parece querer voar

Meus olhos são humidade

Minhas mãos prontas para amar

Mas fico numa profunda imobilidade!.

Meus sentidos são um mar sereno

Navegam em águas de saudade

São arco-íris, em espaço ameno

Onde o verde da esperança é a tonalidade.

E este mar profundo onde navego

Onde aparentemente não existe solidão

Faz flutuar minha alma, o meu ego

E enche duma luz nova, meu coração

Minha boca de fogo é ainda feita

Meus cabelos brancos, feitos de melancolia

Meu corpo deteorado, ainda se deleita

Com Amor, com a Vida por mais um dia!

 

Assim fica um pouco mais de apego à Vida



publicado por rosafogo às 14:31
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Novembro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

Novo blog

Netas nossas princesas

Porquê ?

Acontecer

Sem retorno

Longevidade

Fio da meada

A começar o Inverno

Jardim de mulheres

Dia cinzento

arquivos

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

favoritos

Homem e poeta

Palavras desalinhadas

Asas que tive

PROVOCAÇÃO CONFLITUOSA

TERÇA E QUARTA FEIRA II

NASCER EM BERÇO DE OURO

INTELECTUALIZAR

MAIS UMA MEDALHA DE OURO!

Perdidamente perdida

Poema para a Terra calada

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds