Terça-feira, 23 de Outubro de 2007
Há sempre uma réstia de Sol

Há coisas que gostamos de lembrar.

A Vida é uma constante, o tempo não fica quieto, e vamos vivendo a recordar.

Lembro-me muito bem das coisas que se passavam quando tinha quatro anos é talvez dos primeiros seis anos o que mais recordações me trás.

Lembro-me por exemplo de me fazerem caracóis no cabelo com  um ferro aquecido nas brasas, lembro-me de me pôrem fitas multicores, axadrezadas no cabelo,lembro em pormenor a casa e as coisas que faziam parte da mesma como se fosse hoje.Recordo que tínhamos um burrinho e uma cabrinha que viviam numa casa ao lado, onde também existiam os utensílios da lavoura e lembro uma figueira já dos tempos dos meus bisavós que dava figos pinga-o-mel.

 

 

A memória

 

 

 

A memória é um tesouro

Mas a minha está vazia!

As recordações eram d'ouro

E embalavam o meu dia.

 

De longe em longe um lampejo

Algum vislumbre da Vida

Para acalmar meu desejo

Para lembrar, mesmo sofrida!

 

Minha memória cansada

É como copo que esvazia

Toda uma vida passada

Um fio de seda que desfia!.

 

É a memória curso de água

Que noite e dia não pára!

E que às vezes tráz  a mágoa

Duma saudade que não sara!.

 

 



publicado por rosafogo às 20:34
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Novembro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

Novo blog

Netas nossas princesas

Porquê ?

Acontecer

Sem retorno

Longevidade

Fio da meada

A começar o Inverno

Jardim de mulheres

Dia cinzento

arquivos

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

favoritos

Homem e poeta

Palavras desalinhadas

Asas que tive

PROVOCAÇÃO CONFLITUOSA

TERÇA E QUARTA FEIRA II

NASCER EM BERÇO DE OURO

INTELECTUALIZAR

MAIS UMA MEDALHA DE OURO!

Perdidamente perdida

Poema para a Terra calada

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds