Quinta-feira, 25 de Outubro de 2007
Jardim de mulheres

Jardim de Mulheres é um livro que hoje comprei e que estou a começar a ler. Coincidência,

este livro fala sobre a Serra Leoa e o que acabei de ler e que se intitulava o Canto da Sangardata falava de Cabo Verde. Ao iniciar este segundo livro tive quase a desistir, a causa é que se tornava um pouco difícil de ler porque todo ele é falado à maneira africana, mas é óptimo, descreve muito bem a  vivência do sofrimento de guerra ,do povo moçambicano e também  o sofrimento dos soldados portugueses durante esse período. Nessa altura eu era jovem e tive familiares presos pela pide, e não esqueço nunca que recebi várias mensagens, da morte de rapazes da minha aldeia quando estava empregada nos CTT em Torres Novas e estava de serviço aos telegramas.É  também um período difícil  de esquecer!

 

Guerras

 

O  Mundo está voltado para a guerra

O Homem não vê nem ouve nada!

E fica o mar e a terra

em sobressalto!

A esperança fica remendada

Só há anseios e desilusões

Passa-se da calma ao terror

Destruições!

Corações parados, sem amor!

Barril de pólvora,pronto a explodir

É assim o Mundo!.

Náufrago na mão do Homem

E um ódio profundo

fica na gente que há-de vir

e nos que partiram também.

O Mundo em desiquilíbrio está!

Segue caminhos ignorados

aonde quer que ele vá!?

Não leva heróis, mas falhados!.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



publicado por rosafogo às 20:37
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Novembro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

Novo blog

Netas nossas princesas

Porquê ?

Acontecer

Sem retorno

Longevidade

Fio da meada

A começar o Inverno

Jardim de mulheres

Dia cinzento

arquivos

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

favoritos

Homem e poeta

Palavras desalinhadas

Asas que tive

PROVOCAÇÃO CONFLITUOSA

TERÇA E QUARTA FEIRA II

NASCER EM BERÇO DE OURO

INTELECTUALIZAR

MAIS UMA MEDALHA DE OURO!

Perdidamente perdida

Poema para a Terra calada

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds