Quinta-feira, 6 de Setembro de 2007
Graças a Deus

Dou graças a Deus pelo gosto que me deu de ler, escrever poesia, viajar....

Peço desculpa aos poetas, por me considerar também  um pouco sua igual  embora humildemente saiba que é longa a distância.

Vou roubando horas ao dia e ganhando horas à noite, para ter o gozo de fazer os meus poemas.

Adoro acima de todos os poetas  Miguel Torga leio e releio e é ele que me dá força para continuar, hoje  dedico-lhe o poema seguinte.

 

 

Dia sem volta

Não sei que dia é hoje

Vou dobrando o tempo, como para fugir!

Mas não é da Vida  que fujo, ninguém foge!

Mas é d'alguma coisa que há-de vir!

Qualquer coisa que vem para decidir!?

Que o tempo não me diz, mas que adivinho

Volto a dobrar o tempo, fico a fingir

Que ainda é distante o fim do caminho.

Já não me importa o dia de hoje

Incerteza ou realidade é-me indiferente

Não tenho tempo, já que ele de mim foje!

Oriento meus passos um pouco à toa

Mas na verdade o desespero é permanente

E é dor! E dor não há que não doa!.



publicado por rosafogo às 12:43
link do post | comentar | favorito
|

mais sobre mim
pesquisar
 
Novembro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

Novo blog

Netas nossas princesas

Porquê ?

Acontecer

Sem retorno

Longevidade

Fio da meada

A começar o Inverno

Jardim de mulheres

Dia cinzento

arquivos

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

favoritos

Homem e poeta

Palavras desalinhadas

Asas que tive

PROVOCAÇÃO CONFLITUOSA

TERÇA E QUARTA FEIRA II

NASCER EM BERÇO DE OURO

INTELECTUALIZAR

MAIS UMA MEDALHA DE OURO!

Perdidamente perdida

Poema para a Terra calada

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds