Quarta-feira, 31 de Outubro de 2007
Sem retorno

A Vida é uma ída sem volta, mas até ao final, vamos ter sempre as nossas lembranças.

Lembranças que  não acabam , umas que nos fazem ainda rir, sonhar... outras que ainda nos trazem pesadelos. São as lembranças  ao fim e ao cabo que nos fazem andar para a frente, são como uma herança, que ninguém nos pode tirar.

 

 

 

Silêncio ensurdecedor

 

 

Quando o silêncio se torna ensurdecedor

E a Vida um navio perdido!

Quando o coração, já não sente amor

Então a Vida já não faz sentido!

Restam fragmentos de sonhos

Rugas fundas, voz amarga

Restam só dias medonhos

E uma sombra estranha que não larga!

Postas as mãos esperando benção

Suplica-se em voz alta, não há resposta!

O silêncio tomou conta do coração

E surge a angústia que lhe é imposta.

Os olhos têm o brilho da loucura

E o silêncio fica martelando

O pensamento numa dor mergulha

Enquanto vai o homem caminhando.



publicado por rosafogo às 20:11
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito

Segunda-feira, 29 de Outubro de 2007
Longevidade

Quando a Vida já vai longe começa a pensar-se naquilo que se devia ter feito e não se fez.

Surge às vezes uma sensação de vazio, parece que algo ou alguém nos desviou do nosso destino.

 

 

Esquece o tempo

 

Tens o tempo, todo no teu rosto!

Maldição?! Seja ou não é certo!

Que o tempo te trouxe algum desgosto

mas os sonhos ainda te sorriem de perto.

 

Tempo, todo o tempo caído no vazio!

Como se entrasses em sonolência

Tempo que corre dia e noite, como rio

Sorriso morto?! Olhos sem existência!

 

Cerram-se as pálpebras,negas-te a ver 

as rugas silenciosas à tua volta

E é a dor, do tempo não poder deter!.

 

Resistes?!. Queres ir mais além!

Ás vezes feliz deixas um sorriso à solta

E esqueces o tempo,que não se detém!.

 



publicado por rosafogo às 15:12
link do post | comentar | favorito

Domingo, 28 de Outubro de 2007
Fio da meada

Às vezes perco o fio à meada!.Com a idade é natural... mas a poesia é como uma carícia e vem logo devolver-me o fio da meada e resgatar meus sentimentos.

 

 

 

 

 

 

Só,como botão.que floresceu tarde

Só,como vela que apagou e já não arde!

Só,como um passarinho

que ficou fraco,no ninho!.

 

 

 

Só como um coração vazio

Onde a a paz e o amor

São um poema vadio!

 

 

 

Só como uma ilha deserta

Onde o sol não entra

Onde a fome aperta

E a pobreza se experimenta!

 

 

 

Só como lágrima que cai

Salgada que nem mar

E só Deus sabe como vai!

A nossa  alma, acalmar!

 

 

 

Só como um eco dum queixume

Dum desespero sem esperança

Dum destino que se assume

Sofrido,logo à nascença!.

 

 

 

Só, como este verso chorado

P'lo poeta que por ele sente

As angústias do passado

E as frustrações do presente!.

 

 

 



publicado por rosafogo às 19:39
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito

Sexta-feira, 26 de Outubro de 2007
A começar o Inverno

Ainda por detrás das nuvens, sempre aparece o Sol, embora os dias vão começando a abandonar o Outono e a dar lugar ao começo do Inverno.Com o envelhecer do dia cada vez mais cedo, no final deste,  os pensamentos também de certo modo ficam tristes. No entanto sempre se descobre alguma coisa boa, para fazermos , como por  exemplo o podermos aconchegarmo-nos mais cedo no nosso sofá a ler um bom livro.

 

 

 

Loucura

 

Foi o tempo de dormir de lã

Onde havia sonhos e loucura

Onde me abria como uma romã

E tu disfrutavas com ternura.

 

  

Foi o tempo de dormir de linho

Onde havia a festa dos sentidos

 E eu percorria o caminho

Com palavras doces nos ouvidos.

 

 

 

 

 

 

 

Chegou o tempo de ficar acordado

A colorir o tempo de lembranças

Desse dormir doce já passado

Vislumbrando réstias de esperanças!.

 

 

 

 

 

 



publicado por rosafogo às 18:41
link do post | comentar | favorito

Quinta-feira, 25 de Outubro de 2007
Jardim de mulheres

Jardim de Mulheres é um livro que hoje comprei e que estou a começar a ler. Coincidência,

este livro fala sobre a Serra Leoa e o que acabei de ler e que se intitulava o Canto da Sangardata falava de Cabo Verde. Ao iniciar este segundo livro tive quase a desistir, a causa é que se tornava um pouco difícil de ler porque todo ele é falado à maneira africana, mas é óptimo, descreve muito bem a  vivência do sofrimento de guerra ,do povo moçambicano e também  o sofrimento dos soldados portugueses durante esse período. Nessa altura eu era jovem e tive familiares presos pela pide, e não esqueço nunca que recebi várias mensagens, da morte de rapazes da minha aldeia quando estava empregada nos CTT em Torres Novas e estava de serviço aos telegramas.É  também um período difícil  de esquecer!

 

Guerras

 

O  Mundo está voltado para a guerra

O Homem não vê nem ouve nada!

E fica o mar e a terra

em sobressalto!

A esperança fica remendada

Só há anseios e desilusões

Passa-se da calma ao terror

Destruições!

Corações parados, sem amor!

Barril de pólvora,pronto a explodir

É assim o Mundo!.

Náufrago na mão do Homem

E um ódio profundo

fica na gente que há-de vir

e nos que partiram também.

O Mundo em desiquilíbrio está!

Segue caminhos ignorados

aonde quer que ele vá!?

Não leva heróis, mas falhados!.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 



publicado por rosafogo às 20:37
link do post | comentar | favorito

Quarta-feira, 24 de Outubro de 2007
Dia cinzento

Hoje o dia esteve cinzento e a noite está triste sem uma única estrela a alegrar o firmammento.

E neste moer de tempo, vou mastigando a vida um pouco sem rumo.

 

 

 

Lembrança de menina

 

 

Foi ontem, era menina!

Com laços e com sorrisos

Oiço ainda aquela voz pequenina

E vejo os cabelos, pretos e lisos.

 

Era fruto a amadurecer!

Lua mentirosa no Céu!

Gaivota deixando-se envolver

Rouxinol que a cantar adormeceu.

 

Trazia já sede de poesia!

Na mente, nasciam flores!

Minhas asas livres batia

E nos sonhos tinha amores!.

 

Agora mal me conheço

Tenho aquele(ontem) vazio!

E ao recordar reconheço

Que a Vida está por um fio!.



publicado por rosafogo às 21:11
link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

Terça-feira, 23 de Outubro de 2007
Há sempre uma réstia de Sol

Há coisas que gostamos de lembrar.

A Vida é uma constante, o tempo não fica quieto, e vamos vivendo a recordar.

Lembro-me muito bem das coisas que se passavam quando tinha quatro anos é talvez dos primeiros seis anos o que mais recordações me trás.

Lembro-me por exemplo de me fazerem caracóis no cabelo com  um ferro aquecido nas brasas, lembro-me de me pôrem fitas multicores, axadrezadas no cabelo,lembro em pormenor a casa e as coisas que faziam parte da mesma como se fosse hoje.Recordo que tínhamos um burrinho e uma cabrinha que viviam numa casa ao lado, onde também existiam os utensílios da lavoura e lembro uma figueira já dos tempos dos meus bisavós que dava figos pinga-o-mel.

 

 

A memória

 

 

 

A memória é um tesouro

Mas a minha está vazia!

As recordações eram d'ouro

E embalavam o meu dia.

 

De longe em longe um lampejo

Algum vislumbre da Vida

Para acalmar meu desejo

Para lembrar, mesmo sofrida!

 

Minha memória cansada

É como copo que esvazia

Toda uma vida passada

Um fio de seda que desfia!.

 

É a memória curso de água

Que noite e dia não pára!

E que às vezes tráz  a mágoa

Duma saudade que não sara!.

 

 



publicado por rosafogo às 20:34
link do post | comentar | favorito

Segunda-feira, 22 de Outubro de 2007
Por Terras Tansmontanas

E foi assim que um dia deixei Lisboa, após o 25 de Abril, para ir viver em Macedo de Cavaleiros,ao abrigo duma lei que existia na altura e que consentia que a mulher se deslocasse para perto do marido. Aí permaneci dois anos , nessas terras onde é bom viver, no sossego da natureza.

Lá fez a minha filha os seus primeiros anos de escola, mesmo ao lado de casa, e o meu emprego era a 3 minutos igualmente de casa.

Empregada da Seg- Social, atendia as boas gentes das aldeias vizinhas, marcando consultas, recebendo folhas de salários, pagando abonos etc... logo surgiram ofertas à menina de Lisboa que em simpatia nunca tinham visto igual ( um casal de coelhos, um pacote de bolachas,um saco de castanhas) quem poderia recusar? Afinal simpáticos e amorosos eram eles, ainda me restam saudades.

 

 

 

 

A Palavra

 

 

A palavra pode ser amiga!

Pode ser a palavra redentora,

haja então alguém que a diga!?

Que a traga com amor na hora!.

 

É a palavra às vezes mordaz

É também ela de censura

Mas com ela se consegue a Paz!

Quando com Amor se murmura.

 

Pode ser uma palavra rude

Ou uma palavra de resistência

Ou ser a que nos ilude!

E torna surda a consciência!.

 

Uma palavra às vezes basta

Quando a ausência se lamenta!

Ou quando o Amor se afasta

e a tristeza nos atormenta!.

 

 

 

 

 



publicado por rosafogo às 21:25
link do post | comentar | favorito

Domingo, 21 de Outubro de 2007
Mundo às avessas

       Às vezes a vida nos entristece, e o Mundo nos parece do avesso e assim ficamos nevegando ora num mar de tempestade, ora num mar de calmaria ... mas , há sempre um dia atrás do outro e como se costuma dizer, não  há bem que sempre dure nem mal que nunca se acabe!.

       A verdade é que a vida é feita de estradas estreitas e de curvas apertadas convém ter atenção do modo como nela caminhamos.

 

 

 

   Papoila

 

Quero ser papoila livre!

Crescer enm seara de vento

Que ninguém se atreva e me prive

Quero livre meu pensamento!.

Abrir na manhã que chega

Vermelha ao sabor do vento

À terra minha raiz se apega

E orgulhosa, meu vermelho ostento!.

Na claridade das estrelas

Quero brilhar que nem chama

Sempre que possas vai vê-las

Sou eu quem por liberdade clama!.

 

 

 



publicado por rosafogo às 18:48
link do post | comentar | favorito

Sexta-feira, 19 de Outubro de 2007
Outono

 

É o tempo dos frutos apetitosos e apetecidos como a romã, também o diospiro .Para mim a romã é um fruto lindo quando a natureza o abre e se entrevêem os bagos vermelhos dá vontade de os desenhar e pintar ! .Depois é altura também das uvas, das castanhas ,nozes e passas de figo, hoje lembrei-me destes frutos porque eram a única abundância havida na minha infância.

 Também é uma altura incrível para se dar um passeio até Santiago de Compostela, toda esta parte de Espanha é maravilhosa, nostálgica, cheia de paz, paisagens de mar e serra abundantes em beleza, onde o verde é mágico.

 Costumo fazê-lo com algumas colegas amigas e pensamos sempre... para o ano voltamos!.

 

 

 

Vida Melancólica

 

A Vida hoje parece não ter vida!

Melancólica, onde os olhos veêm baço

Palavras, silêncios me deixam perdida

Por mim passam fantasmas, eu por eles passo!

 

Hoje, não são azuis, nem céu ,nem mar!

E as sombras, são sombras de alma perdida

Sentidas são as vozes de crianças a chorar

Até que regresse a vida à própria vida!

 

Hoje me leva a vida de vencida!

Soletro o meu nome p'ra não esquecer

E sinto a minha alma de partida!

 

Quero voltar a ver azuis céu e mar!

Voltar a ser feliz eu vou querer!

E ao meu rosto, o sorrriso regressar.

 



publicado por rosafogo às 18:54
link do post | comentar | favorito

mais sobre mim
pesquisar
 
Novembro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

Novo blog

Netas nossas princesas

Porquê ?

Acontecer

Sem retorno

Longevidade

Fio da meada

A começar o Inverno

Jardim de mulheres

Dia cinzento

arquivos

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

favoritos

Homem e poeta

Palavras desalinhadas

Asas que tive

PROVOCAÇÃO CONFLITUOSA

TERÇA E QUARTA FEIRA II

NASCER EM BERÇO DE OURO

INTELECTUALIZAR

MAIS UMA MEDALHA DE OURO!

Perdidamente perdida

Poema para a Terra calada

Fazer olhinhos
blogs SAPO
subscrever feeds