Domingo, 28 de Outubro de 2007
Fio da meada

Às vezes perco o fio à meada!.Com a idade é natural... mas a poesia é como uma carícia e vem logo devolver-me o fio da meada e resgatar meus sentimentos.

 

 

 

 

 

 

Só,como botão.que floresceu tarde

Só,como vela que apagou e já não arde!

Só,como um passarinho

que ficou fraco,no ninho!.

 

 

 

Só como um coração vazio

Onde a a paz e o amor

São um poema vadio!

 

 

 

Só como uma ilha deserta

Onde o sol não entra

Onde a fome aperta

E a pobreza se experimenta!

 

 

 

Só como lágrima que cai

Salgada que nem mar

E só Deus sabe como vai!

A nossa  alma, acalmar!

 

 

 

Só como um eco dum queixume

Dum desespero sem esperança

Dum destino que se assume

Sofrido,logo à nascença!.

 

 

 

Só, como este verso chorado

P'lo poeta que por ele sente

As angústias do passado

E as frustrações do presente!.

 

 

 



publicado por rosafogo às 19:39
link do post | favorito

Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



mais sobre mim
pesquisar
 
Novembro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30


posts recentes

Novo blog

Netas nossas princesas

Porquê ?

Acontecer

Sem retorno

Longevidade

Fio da meada

A começar o Inverno

Jardim de mulheres

Dia cinzento

arquivos

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

favoritos

Homem e poeta

Palavras desalinhadas

Asas que tive

PROVOCAÇÃO CONFLITUOSA

TERÇA E QUARTA FEIRA II

NASCER EM BERÇO DE OURO

INTELECTUALIZAR

MAIS UMA MEDALHA DE OURO!

Perdidamente perdida

Poema para a Terra calada

blogs SAPO
subscrever feeds